Rebirth introduz os filhos da Liga da Justiça

Ao longo do tempo, as histórias em quadrinhos da DC nos entregaram diversas versões de possíveis futuros para os nossos heróis. Muitas vezes, tivemos a oportunidade de explorar esses futuros, como foi o caso de Batman: O Cavaleiro das Trevas e Reino do Amanhã – exemplos de diferentes caminhos que super-heróis podem seguir.

A edição mais recente de Liga da Justiça, escrita por Bryan Hitch, introduziu um novo futuro possível no Universo DC com o arco Legacy. Porém, ao invés de vermos versões mais velhas dos clássicos integrantes da Liga, dessa vez, esse futuro nos apresentou os filhos da Liga da Justiça enfrentando uma ameaça pós-apocalíptica.

A maior parte da edição se passa 20 anos no futuro. Pelo que podemos ver, a Terra foi assolada pela vilã Sovereign e a maior parte da Liga da Justiça está desaparecida. Ao que parece, as únicas pessoas que sobraram parar salvar o mundo são os filhos dos integrantes da Liga que lutam arduamente para sobreviverem por mais um dia. A edição não aprofunda muito em quem são esses personagens, porém, podemos estabelecer algumas conexões.

O líder do grupo, Hunter, usa a capa do Superman, bem como os braceletes e Laço da Verdade da Mulher-Maravilha, sugerindo que sua existência é fruto de um romance entre os dois heróis. Cruise aparenta ser a filha de Barry Allen e Jessica Cruz, cujo romance vem sendo trabalhado por boa parte do run de Hitch, apesar de Barry finalmente ter conseguido acertar as coisas com Iris West em seu título solo. Cube aparenta ser descendente de Ciborgue, e assim como Victor Stone, também possui uma série de melhorias tecnológicas, algumas que nem mesmo seu pai as possui. Serenity é uma atlante e filha do Aquaman. Por último, temos Jason e Jenny, que possuem o símbolo usado pela Tropa dos Lanternas Verdes mas, ao que tudo indica, também possuem uma conexão com o espectro vermelho da raiva e o espectro amarelo do medo, respectivamente.

Algo extremamente curioso é a ausência do filho do Batman, sugerindo que nesse futuro alternativo é possível que o herói não tenha sobrevivido para gerar novos filhos, ou, se o fez, eles também não sobreviveram. O cenário mais provável é que o filho (ou filhos) do Batman se encontra em algum lugar planejando alguma revelação chocante e que possivelmente será mostrada nas próximas edições. Ainda assim, a não-existência de um representante relacionado ao Cavaleiro das Trevas dentre os filhos dos integrantes da Liga da Justiça é bastante intrigante.

Se por um lado não descobrimos exatamente o que aconteceu à Liga da Justiça nesse futuro, por outro, foram deixadas algumas pistas e até mesmo presenciamos o aparecimento de Arthur Curry, pai de Serenity. Cube e Hunter comentam sobre Curry estar usando a tecnologia do Cyborg para prolongar sua vida, e não para por ai. Ele possui um anel da Tropa dos Lanternas Negros e é capaz de usá-lo sem estar morto. Conforme vemos por toda edição, existem diversas pequenas pistas relacionadas à uma história maior dentro do Universo DC, com referências à diversos eventos ocorridos naquele universo. Um em específico, que os personagens chamam de Lightfall, pode ser um vindouro evento da DC Comics, que pode se iniciar após os eventos de Dark Nights: Metal e Doomsday Clock.

A edição se baseia no trabalho que Hitch tem feito em Liga da Justiça e na sua curta passagem por Liga da Justiça da América, onde foi reintroduzida a Corporação Infinito, organização na qual as ruínas são encontradas pelos jovens heróis. Conceitos envolvendo viagem no tempo têm sido uma grande característica do trabalho de Hitch em Liga da Justiça, e ele usa isso de diversas formas nessa edição. Podemos citar as Granadas Intemporais usadas contra Curry, que remontam a um recente arco da Liga da Justiça. Hitch confirmou há pouco tempo que estaria deixando o título em breve, o que nos faz acreditar que tudo isso vem sendo construído visando seu arco final.

O conceito de possíveis futuros onde filhos de super-heróis crescem e tornam-se super-heróis é algo existente há bastante tempo. Os personagens apresentados na última edição de Liga da Justiça são os mais recentes representantes de uma tradição que remonta à 1965 na introdução de Superman Jr. e Batman Jr. em World’s Finest #154. Os jovens heróis eram filhos adolescentes de Clark Kent e Bruce Wayne e apareciam ocasionalmente nas páginas de World’s Finest em aventuras próprias, muitas vezes agindo contra a vontade de seus pais e discordando em como um super-herói deveria agir. Também já existiram diversos outros filhos dos integrantes da Liga da Justiça espalhados em inúmeras realidades alternativas. A Caçadora da Terra-2 é filha do Batman e da Mulher-Gato, enquanto que Lara da antiga Terra-31 é filha do Superman com a Mulher-Maravilha.

O estranho sobre os personagens introduzidos agora em Liga da Justiça é que eles são totalmente novos e criados especificamente para este arco, embora muitos de seus pais já possuam filhos, ou ao menos futuros filhos, na atual cronologia. Superman agora é pai de Jon Kent e está ensinando-o a seguir seus passos como Superboy. Embora não exista – ainda – uma criança que represente o Batman no time, é estranho que Damian não esteja por perto, ou que nem mesmo tenha sido mencionado. As recentes histórias escritas no título do Flash reintroduziram os Gêmeos Tornado no futuro de Barry, porém, novamente, nenhuma menção a eles é feita durante a edição. Isso não é algo ruim necessariamente, mas é estranho que com tanto a ser explorado com o que vem sendo construído na atual continuidade, Hitch decida optar por algo novo.

Liga da Justiça #26 é apenas a primeira edição do último arco de Bryan Hitch no título. Sem dúvidas, nós descobriremos mais sobre esses personagens nas próximas edições, uma vez que eles encontram seus pais no passado. Será algo extremamente interessante de ver como os integrantes da Liga da Justiça reagirão perante seus filhos e vice-versa, pois, com certeza, eles não aparentam estar muito felizes com o curso que a história tomou.

Escrito por Bryan Hitch com arte de Oclair Albert e Fernando Pasarin, Liga da Justiça #27 tem data de lançamento marcada para 16 de agosto.

  • O Homem do QI200

    Eu achei bem interessante essa edição, estou bem curioso pra saber o que está acontecendo. E a DC tá bem encaminhada em arcos e novas Sagas, tem essa Queda da Luz, citada nessa edição, tem também Dark Nights, Amanhecer Vermelho, o futuro do Lex como o novo Darkseid e ainda tem uma outra que não me lembro. Ou seja, a DC vai está muito bem nas HQs por um bom tempo.

    • Nightwing

      Será que esse arco vale a pena? Ando afastado da Liga a espera que o Hitch saia. A DC realmente ta com muita coisa boa por vir, mês que vem começaremos a ver a identidade do Sr. Oz

      • O Homem do QI200

        Quer aguardar que eu leia o arco todo e depois te avise? Sobre esse capítulo, não teve nada de espetacular, mas não foi ruim. E sobre o Mr. Oz, se os boatos estiverem certos, já sei quem ele é e ficou bem evidente na edição #984

      • Nightwing

        Sim, eu vi a capa. Será que é mesmo?

      • O Homem do QI200

        Eu acredito que sim, já que na AC#984, foi revelado que o Mr. Oz é um cara que tem pratica com a Armadura Kryptoniana e só Kryptonianos usaram ela. Bom, pra mim não é uma ideia legal, mas como o Rebirth ta indo tão bem, que é melhor ver primeiro no que vai dar.

      • Nightwing

        To meio atrasado em AC, parei na do Manchester Black e fui colocar em dia outras que ficaram para trás :0. Vou colocar em dia então.

  • O Homem do Amanha

    Parece interessante, mas creio que no final dessa historia pra esse futuro pós-apocalíptico não vim a acontecer esses jovens Heróis terão que deixar de existir, espero está errado, mas vai ser bem isso mesmo…

  • Dumas Barão

    DC: Eu te amo !!!