O que podemos esperar de Doomsday Clock

Há algumas dicas dadas por Geoff Johns na entrevista em que anunciou Doomsday Clock, e se as juntarmos com algumas das teorias dos fãs, podemos vislumbrar o que vem pela frente. Dando uma primeira olhada nas informações sobre a história, parece que este evento da DC pode cobrir mais anos do que podemos esperar e ajudará Johns explorar o núcleo de personagens que ele descreve com tanta frequência quando se fala sobre o Universo DC.

Johns disse que Doomsday Clock “tocará na essência temática e literal da DC”. Partindo dessa ideia de essência temática, existem muitas declarações de Johns falando sobre esperança no futuro do Universo DC. “Eu acredito no poder desses ícones, acredito no poder da esperança e do otimismo”. Johns tem sugerido desde o início do Rebirth que Watchmen representa o cinismo, enquanto o UDC representa – ou pelo menos deveria representar – a esperança. Como Wally West diz em DC Universe: Rebirth #1, há uma guerra entre “esperança e desespero”; temática similar apresentada na história em que Barry Allen encontrou o capacete de Jay Garrick na Força de Aceleração. Havia também uma referência à esperança em uma das primeiras aparições do Mr. Oz, em Superman #34, de 2014. Mr. Oz está assistindo Superman em suas múltiplas telas de computador, e ele aponta que embora Clark enfrente tragédia todos os dias, ele “nunca desiste da esperança”. Ele questiona se Superman nunca pode desistir da esperança.

Mas a declaração de Johns não se referiu apenas aos temas do Universo DC – ele disse que Doomsday Clock vai tocar a essência literal da DC. Se nossas suspeitas estiverem corretas e o Dr. Manhattan for a razão de que antigas linhas do tempo da DC tenham sido mantidas em suspensão no Hipertempo – como apresentado em The Button -, então essa história realmente poderia ser sobre a essência literária Universo DC, rastreando suas raízes até a sua origem. E se a história abordar o início do UDC, então também deve tocar no final, ou em seu apocalipse – “doomsday”.

E falando do início desse universo, provavelmente não será uma coincidência se Superman for um dos focos de Doomsday Clock. Em 2018, Action Comics alcançará sua milésima edição, com o Homem de Aço completando 80 anos. A história de Mr. Oz – que certamente está ligada a tudo isso – começou no run de Johns em Superman em 2014. Publicamente, os segmentos de Rebirth e Doomsday Clock começaram como uma história do Superman, e depois foi expandida para todo Universo DC. Oz frequentemente afirma que “ensinou” o Superman, o que implica que ele estava presente no passado. E toda esta conversa sobre “essência” também ecoa com o que aconteceu com Superman em Superman: Reborn – sua “essência” foi dividida em duas, e ele foi reformado, presumivelmente em toda a sua “essência”.

A ideia da história do Universo DC também foi sugerida nas primeiras aparições de Oz. Johns escreveu uma cena misteriosa para Oz em Superman # 39, onde a figura encapuzada enviou um livro em branco para Clark Kent. Tinha uma nota que dizia: “O futuro não está escrito, Clark. Mas você e seus amigos verão isso em breve”. Oz também frequentemente refere-se ao “longo jogo”, o que implica que esta não é simplesmente uma batalha de dias atuais, mas algo que vai cobrir muitos anos, ou talvez já tenha coberto muitos anos – talvez pelo menos 80.

Se existe algo que realmente está aparente é que Doomsday Clock é, de fato, a história que Geoff Johns planeja contar e que teve suas sementes plantadas em DC Universe: Rebirth #1. E apenas uma história de Geoff Johns. A história do Dr. Manhattan e muitos elementos misteriosos que surgiram ao redor do Universo DC, aparentemente, estão esperando para serem esclarecidos por Johns.

Em entrevista, Geoff Johns afirmou que os únicos que conhecem a história de Doomsday Clock é Gary Frank – artista da história – e seus editores. Parece que a DC está deixando Johns executar Doomsday Clock sem muita interferência. Ao contrário das famosas contagens regressivas que a editora realizava antes de determinados eventos. Desta vez, parece que eles estão dando amplo espaço para Johns contar a história do jeito que ele quer.