Nova origem do Superman é revelada em Action Comics #977

Após os acontecimentos de Superman Reborn, o Homem de Aço teve sua existência modificada após uma unificação de elementos das continuidades pré-Flashpoint e Novos 52. Porém, após sair de uma confronto cheio de revelações contra Mr. Mxyzptlk e mal conseguir se lembrar de tal acontecimento, Superman suspeita que existe algo de errado acontecendo em sua vida.

Em Action Comics #977, Kal-El faz uma visita à Fortaleza da Solidão, onde os cristais de memória kryptonianos fazem uma análise dos principais eventos da vida do Superman, revelando sua nova origem.

O essencial continua lá, é claro: diante da morte de um planeta, um pai opta pela difícil escolha de enviar seu filho rumo as estrelas na esperança da sobrevivência da criança. Porém, vários aspectos de Krypton e os detalhes da previsão do infeliz destino do planeta natal de Kal-El mudaram ao longo de diversas continuidades da DC. Na Era de Prata, Krypton era um lugar repleto de maravilhas, com seus habitantes de vestes chamativas colhendo os frutos de sua ciência avançada. Após Crise Nas Infinitas Terras, o reboot orquestrado por John Byrne reformulou essa obsessão com o progresso científico de maneira extrema, gerando uma cultura fria totalmente desprovida de emoções. A Krypton do pós-Reborn se assemelha mais precisamente à sua encarnação anterior, que foi boa parte restabelecida em 2003 com Superman: O Legado das Estrelas.

Ao longo do tempo, houve mudanças sobre o envio de Kal-El à Terra. Em alguns momentos, ele havia sido enviado à Terra já como um bebe nascido e em outros, sua nave funcionava como uma espécie de incubadora, lhe permitindo nascer na Terra. Diversos autores deram interessantes visões para ambas abordagens, e em Action Comics #977 Dan Jurgens estabeleceu que Kal-El nasceu em Krypton e só então foi enviado à Terra. Não fica claro se ele foi criado através da combinação de material genético ou se foi concebido à moda antiga, mas a forte ligação retratada entre Jor-El e Lara indica que é provável que seja a segunda opção.

O resto da história de origem é bastante familiar. Jonathan e Martha Kent, enquanto saiam para um passeio, avistam o foguete contendo o bebê Kal-El caindo e então o resgatam e se mantém calados por tempo suficientemente plausível para criação de um álibi para o nascimento de Clark, como uma gravidez secreta. Clark cresce junto de seus melhores amigos Lana Lang e Pete Ross, com Lex Luthor novamente sendo seu rival da infância, assim como foi na maioria das continuidades. Clark tem acesso a seus poderes em definitivo durante sua adolescência e Lana é a primeira a descobrir seu segredo, mas a edição não deixa claro se Clark já possuía seus poderes desde a infância – tendo em vista que seu filho, Jon Kent, não começou a manifestar poderes até cerca de seus 10 ou 11 anos de idade, e parece improvável que Clark tenha sido uma criança prodígio.

As cenas de abertura da edição restabelecem o status quo de Clark e Lois no Planeta Diário – todos agora sabem que eles são casados e que possuem um filho e Perry White é o padrinho de Jon. É como se tudo estabelecido durante Os Novos 52 fosse apenas um sonho ruim. Action Comics #977 conta o novo cânone do Superman a partir de sua chegada em Metropolis, o que significa que ainda há muito o que não sabemos, porém a edição faz um ótimo trabalho e acaba sendo um referencial para começar a entender a origem do Escoteiro.

O Rebirth tem feito um trabalho incrível referente ao universo do Superman. As histórias são boas graças à exploração da dinâmica entre a família Kent, e os mistérios e intrigas envolvendo encarnações anteriores do Superman têm proporcionado uma narrativa extremamente envolvente. Mesmo assim, existia um problema fundamental: a DC Comics havia deturpado o conceito do Superman. Todos nós sabemos quem o Superman é um visitante estranho vindo de outro planeta ainda bebê em um foguete e criado por pais amorosos que o ensinaram a usar seus grandes poderes em serviço da verdade e da justiça. Porém, no pós-Rebirth, ele não era apenas um visitante de outro planeta, mas de outro universo; sua contraparte nativa deste universo estava morta, seus mais próximos confidentes não sabiam quem ele era e até mesmo o enxergavam com uma desconfortável suspeita enquanto usurpava o papel de seu amigo morto. Para os leitores que haviam seguido sua jornada por bastante tempo, isso talvez não seja um problema, porém, em termos de acessibilidade para leitores novos ou que estejam voltando para o mundo dos quadrinhos agora, isso gera barreiras bastantes complicadas para o personagem ficcional mais famoso do mundo.

A edição se encarrega, de maneira muito bem feita, de dar o ponto de partida que o personagem precisava. Leitores e futuros roteiristas agora sabem os mais importante aspectos da origem do Superman. Não precisamos saber especificamente sobre quais as caracterizações d’Os Novos 52 restaram ou como elas afetaram o relacionamento entre Lois e Clark – ou quando o Superman lutou contra Lex Luthor pela primeira vez e coisas assim. Muitos dizem que se prender ao cânone impede boas histórias acontecerem, mas é inegável que deve existir uma base pessoal como referência para esses personagens se nós quisermos entender quem eles são e a razão do por quê devemos acompanhar as historias que contam suas vidas. E nesse momento, isso foi restabelecido.

Ainda assim, é plausível supor que revisar a origem do Superman tão logo após o Rebirth terá suas consequências por todo Universo DC. E elas já aparentam estar acontecendo no momento em que a energia desencadeada após a união do Superman d’Os Novos 52 com o Superman pré-Flashpoint ter gerado o retorno de Eobard Thawne como Zoom, na revista do Flash.

E já que falamos do Flash, vale lembrar que o futuro de Wally West tem estado no centro dos mistérios que alteraram o universo desde o seu retorno em DC Universe: Rebirth #1 – e que o Superman foi um dos poucos heróis que ainda lembrava de Wally em sua vida antes de Flashpoint. Se o universo esta restabelecendo uma história de vida para o Superman, grande parte dos elementos baseados no período entre O Legado das Estrelas e Flashpoint pode retornar.

  • Marcelo Pereira

    Vou fazer um pequeno adendo aqui, a “nova” origem nada mais é do que a revisão feita por Geoff Johns publicada na minissérie ” Identidade secreta”, publicada antes do dos Novos 52 e não em “Legado das Estrelas”

    • Murilo Fernando

      Na verdade, essa nova origem tem muito mais de “Legado das Estrelas” do que “Origem Secreta”, principalmente a parte de Lex em Smallville, que veio primeiro (2003) do que a do Johns (2010). Na verdade, foi uma fusão de ambas, mas no quesito Krypton, foi bem mais explorada em Legado das Estrelas do que Origem Secreta (a única visão de Krypton é o holograma do Jor-El e Lara na nave). Enfim, o importante é que ficou bom, não importa de quais histórias saiu.

  • David Pinheiro

    Isso quer dizer que o Super ainda lembra da Diana “uhum” mas não aconteceu? Tipo nunca mais eu ficaria confortável na frente dele.

  • MGAMA

    Na minha opinião, essa nova reformulação acabou desconsiderando umas das melhores estórias do Azulão nos últimos anos, qual seja: Lois e Clark pós convergência, que mostra o nascimento do Jonno. Lá, inclusive, é explicada que a concepção do filho foi feita no período em que o Super estava sem os seus poderes, tornando o casal compatível, pois, como podemos analisar em quadrinhos mais antigos (vide Armagedon 2001 Superman), a Lois não poderia carregar um filho kriptoniano pelo simples fato de que, com o sol amarelo, o bebê seria forte o suficiente para matá-la com um chute (o que ocorreu naquela revista). Enfim, tudo que foi construído pós convergência como a adaptação do casal ao universo dos novos 52, a vida na fazenda, o crescimento do filho, as missões secretas do Superman com uniforme preto, dentre outras aventuras, foi simplesmente apagado da cronologia. Para mim seria muito mais legal que existissem mesmo dois Supermen (o dos novos 52 e do pós crise) que se encontraram por um acaso universal, do que essa explicação de que, do nada, agora o Perry é padrinho do Jon… vamos ver no que dá. Parabéns pelo trabalho.

    • Red

      sei disso não, os clark não tinha poder qndo bebe.então por q o Jon teria? Clark so teve poderes na adolescência, os Kriptonianos precisam do nosso sol amarelo para amarzenar energias e precisa de anos , julgando pelo Clark q chegou bebe aqui e so manifestou os poderes de fato na adolescência, então fica claro q o bebe de Clark não nasceria com poder, ele precisaria armazenar a energia do sol para ter poderes…