Encontro entre Bruce e Thomas Wayne pode trazer mudanças para o futuro do Batman

Após ter um vislumbre momentâneo de seu pai em Batman #21, Bruce finalmente se encontrou cara-a-cara com Thomas Wayne em Batman #22, terceira e penúltima parte do crossover The Button. A edição não só revelou que Thomas sobreviveu aos eventos finais de Flashpoint, assim como todo esse universo alternativo. O resultado da interação entre pai e filho de dois universos completamente diferentes pode ocasionar uma drástica mudança para o Batman.

Quando foi visto pela última vez em Flashpoint, Thomas tinha sido gravemente ferido, e se seus ferimentos não o matassem, o final que parecia apocalíptico para aquela realidade certamente o faria. No entanto, como ele mesmo diz “algo pôs o mundo em pé novamente” e ele foi visto vivo e sadio na Batcaverna, aguardando os soldados, dos agora aliados, atlantes e amazonas que estão vindo atrás dele. Antes que os exércitos cheguem, Batman e Flash aparecem na Esteira Cósmica. Incrédulo diante da visão inesperada de seu filho adulto, assim como o retorno de Barry, Thomas reluta, mas aceita as observações de Barry sobre a linha do tempo alternativa ter sido mantida em suspensão.

Tudo isso acontece exatamente a tempo para que os soldados invadam a Batcaverna, e não há maneira melhor de duas gerações de Batman se unirem, do que lutando um ao lado do outro. Porém, após despacharem rapidamente os invasores, pai e filho tem apenas um momento juntos antes que mais uma ameaça apareça: uma aparente onda branca de anti-matéria surge engolindo toda a realidade, ou, como Barry especula, o que estava mantendo o Flashpoint em pé não está mais o fazendo. Com a onda se aproximando da caverna, Thomas empurra Bruce para a Esteira Cósmica e faz seu último apelo ao filho: não ser mais o Batman e ir em busca de sua própria felicidade.

O momento deu à Bruce a oportunidade de fazer algo que ele nunca pode quando criança: a chance de dizer adeus ao seu pai antes dele morrer. Bruce implora para que seu pai fuja com ele e Barry, porém a Esteira Cósmica desaparece, levando os dois heróis de volta ao fluxo temporal. Com isso, Thomas faz uma citação do que disse para Bruce na vez em que ele caiu na caverna quando pequeno: “Waynes nunca ficam no chão… Eles se erguem!”. Essas, de fato, são as palavras finais de Thomas enquanto ele desafiadoramente mergulha na onda anti-matéria.

Através das décadas, a base da origem do Batman sempre permaneceu enraizada na motivação do jovem Bruce em vingar a morte de seus pais punindo criminosos, com o morcego sendo interpretado como um presságio que moldaria seus métodos de combate ao crime. Quando jovem, os pais de Bruce foram tirados dele sem aviso prévio – não houve palavras finais, nenhum adeus falado -, deixando apenas Alfred e os valores dados a Bruce por seus pais durante toda a sua vida para guiá-lo. O futuro de Bruce só poderia ser moldado honrando suas memórias.

Agora, tudo o que Bruce construiu com base no que ele sempre acreditou ser a melhor maneira de honrar seus pais é questionado, pois ele teve a oportunidade de ter uma última conversa com seu pai. O desejo de Thomas não é diferente diferente do desejo de qualquer outro pai de ver seu filho feliz, mas ele sabe por experiência que assumir o manto do Morcego não é o caminho para isso. Pela primeira vez, Bruce sabe em primeira mão como seu pai teria desejado que ele continuasse, e a dicotomia entre a vida que Thomas teria desejado para seu filho e a que ele realmente escolheu traz ramificações potencialmente enormes para o futuro do Batman.

Dada a natureza icônica da franquia do Batman, é óbvio que não irão ocorrer mudanças drásticas como uma passagem de manto. O que poderemos ver no futuro é um Batman menos sombrio, já que nas histórias mais recentes estamos vendo o Batman protagonizar histórias de densidade fora do comum – que inclui até uma temática suicida. Se houver espaço para interpretação das últimas palavras de Thomas – “Não seja Batman” -, talvez seja no sentido de um Batman como sinônimo de ser consumido pela amargura e pelas trevas.

O destino de Batman é uma história para o futuro, e até lá temos que saber como a aventura através do tempo entre o Cavaleiro das Trevas e o Velocista Escarlate irá terminar em The Flash #22, que será lançada dia 17 de maio.

  • Nightwing

    Realmente gostaria de ver o impacto da fala do Thomas na vida do Batman, talvez ele venha a ser um pouco mais pai do Damian (mesmo ele sendo um muleque chato na maior parte do tempo). Vamos esperar pra ver

  • Eduardo Faria Guimarães

    Uma escolha que o Bruce vai sofrer muito futuramente,o Batman é necessário não só para Gotham mas também para Liga da Justiça como para o resto do mundo,

    Ele construiu um legado que não só afetou ele como também outros personagem como Dick Grayson,Jason Todd,Barbará Gordon,Damian e etc.Ele não pode simplesmente desistir disso,será um caminho que ele terá que trilhar até sua morte.

    Não acredito que depois dessa isso será jogado pra escanteio,com certeza essas palavras do pai irá repercutir futuramente para o personagem em algum arco ou muito provavelmente em Dark Days.

  • Neo

    Bem que podiam deixar o universo Flashpoint existindo rs.

  • Mark Madrox

    por uma série de motivos só li a 1° edição de Rebirth com a “morte” desse Thomas Wayne ainda não resta a versão da Terra 2?ele ja interagiu com o Bruce ?

    • O Thomas Wayne da Terra-2 morreu durante Convergência. Ele chegou a interagir com o Bruce em Convergência também, pouco antes da sua morte.

      • Mark Madrox

        Obrigado por me esclarecer….agora sei de onde voltar a ler