Editorial da DC queria originalmente que Dark Nights: Metal se chamasse Dark Crisis

Dark Nights: Metal é o atual grande evento da DC Comics, colocando o Universo DC em uma guerra mortal contra o Multiverso Sombrio. Fazendo um relativo sucesso de crítica e público, informações vindas do editorial da DC apontam que muito da história foi mudado até seu lançamento, e que isso criou um clima de desconforto nos bastidores da Editora das Lendas.

O portal Bleeding Cool teve acesso a informações privilegiadas do editorial da DC, e reportou inúmeros problemas internos que Metal trouxe. Para começar, a DC não queria chamar a história de Metal e ficou deveras insatisfeita com a primeira capa. Scott Snyder e Greg Capullo queriam abandonar a iconografia heavy metal e criar algo muito mais próximo de Frank Frazetta e Jack Kirby, com a proposta de algo louco e novo para o Universo DC.

Em contrapartida, o editoral da DC queria um tom mais sombrio, com isso expresso no título – “Dark”. O título favorito para a história era Dark Crisis. A ideia inicial era começar a aventura com as versões corrompidas do Batman dominando o mundo, ao invés de 10 páginas da Liga da Justiça combatendo robôs gigantes.

Apesar de muitos dos elementos exigidos para Dark Crisis estarem na versão final de Dark Nights: Metal, elas destoam muito com os elementos que Snyder fez questão de incluir na trama. Nisso, explicitamos os mechas da Liga da Justiça, a Montanha dos Desafiadores do Desconhecido destruindo Gotham City, Batman montando um dinossauro e até mesmo a aparição de Sandman. Tudo isso não foi visto com bons olhos dentro da editora, que não foi muito calorosa com a recepção das ideias no início. Houve também muita resistência quanto ao marketing da série, que foi visto como exagerado.

Como se não bastassem os problemas criativos e mercadológicos, Metal criou um conflito político dentro da editora. Dan DiDio, o co-editor da DC, queria que Metal apresentasse novos personagens e novas propriedades intelectuais, enquanto Geoff Johns não queria que um grande evento ameaçasse seu planejamento para Doomsday Clock e toda construção feita nos últimos meses durante Rebirth.

Apesar dos problemas, Snyder e Capullo conseguiram convencer todas as partes e encontrar uma proposta que agradasse o editorial. A maior evidência disso foi a divulgação da história durante a San Diego Comic-Con, que foi recheada de novidades e material promocional de Metal. O mecha da Liga da Justiça foi usado nos previews oficiais e até mesmo um dos crossovers do evento teve o nome trocado de “Justice Insurgence” para “Bats Out Of Hell”.

Isso tudo significa que o Universo DC, de fato, vai entrar em uma fase louca e sombria, e isso pode se espalhar por vários outros títulos, a medida que o lançamento do selo Dark Matter se aproxima. Mas só poderemos concluir se isso vai ser bom para a editora com a evolução da trama que acontecerá em Dark Nights: Metal #2, que tem previsão de lançamento para 13 de setembro.

  • Monitor

    Bem, mas convenhamos, a geração mimimi atual já chorou porque o Batman estreia em uma saga como o protagonista, imagina se fosse outra história com “Crise” no nome?