Doomsday Clock #1 explica o retorno de Rorschach

Desde o anúncio de Doomsday Clock, muito mistério foi criado ao redor da minissérie de Geoff Johns e Gary Frank. Agora que Doomsday Clock #1 finalmente veio à luz, a névoa envolta da trama começa a se dissipar – ou pelo menos parte dela.

À medida que anúncios e imagens promocionais da história eram revelados, todos ficaram chocados com a revelação de que Rorschach retornaria em Doomsday Clock. Por um lado, faria sentido que o icônico anti-herói retornasse para uma nova aventura. Todavia, ele foi morto no final da graphic novel de Alan Moore e Dave Gibbons. Geoff Johns tinha a difícil tarefa de conciliar suas ideias com as expectativas e a incredulidade dos fãs de Watchmen. Rorschach é, sem dúvidas, o personagem favorito dos fãs e sua morte encerrou sua trajetória de maneira adequada. Então, como Rorschach retornou?

Doomsday Clock começa no mundo de Watchmen, com as massas revoltadas desejando a cabeça de Adrian Veidt. Nesse contexto, somos apresentado novamente a Rorschach, usando seus velhos truques para invadir uma prisão. O chapéu, o cachecol, a máscara manchada – está tudo lá. Este é realmente Rorschach, com sua voz revoltada e sua poética narração sombria.

Mas existem camadas que diferenciam esse novo Rorschach. Ao invés de feijão, ele prefere panquecas. Ele não tem certeza de alguns fatos, tornando seu detalhamento dos eventos pouco confiáveis. Com o passar da edição, fica claro que esse Rorschach não é Walter Kovacs. Johns não alterou o final de Alan Moore, e Kovacs está realmente morto. Apesar disso, o novo homem por baixo da máscara compartilha a visão de mundo do antigo Rorschach. Ao tirar sua luva para provar sua nova identidade, esse Rorschach revela ser afro-americano, e não caucasiano como Walter era.

Johns entendeu a relevância da morte de Kovacs para Watchmen e decidiu não desfazer o desfecho criado por Alan Moore para não criar nenhuma incoerência ou fato ilógico. Ainda assim, Johns também entende o poder do personagem e da máscara, independente de quem esteja sob ela. Em Doomsday Clock #1 nós vemos as pessoas reconheceram Rorschach. Essa nova pessoa que decidiu assumir a identidade de Rorschach conhece a força e o significado do uniforme que veste, uma consciência que será importante no desenvolvimento da história.

Talvez o fragilizado mundo de Watchmen compreenda que precisa de um Rorschach, assim como as pessoas do Universo DC sabem que precisam do Batman. Esse detalhe tornou Doomsday Clock mais do que uma sequência ao trabalhar o legado – não muito diferente do que a iniciativa Rebirth realizou no Universo DC. Agora, começa o verdadeiro mistério: quem está sob a máscara?

A contagem regressiva começou ao redor de todo Universo DC. O fim do Rebirth continua em Doomsday Clock #2, com lançamento marcado para 27 de dezembro.

  • Murilo Fernando

    Que comece o bolão: acho que é o garoto que lia os quadrinhos do Contos do Cargueiro Negro no Watchmen original.

    • O Homem do QI200

      Será?

    • Eduardo Faria Guimarães

      Me falaram que pode ser o Duke Thomas dessa realidade.

  • O Homem do QI200

    Gostei bastante dessa edição, quando vai sair a review completa da 1ª edição?

    • Não vai sair, na verdade. Vamos esperar as 12 edições pra fazer um review completo. O blog tá passando por umas mudanças e o tempo dos redatores ficou ainda menor, aí decidimos não analisar a primeira edição.

      Mas ainda assim, vão sair artigos falando dos eventos das edições, conforme eles forem sendo lançados.

  • Eduardo Faria Guimarães

    Só espero que o Johns faça um Rorschach digno do original.