Dark Nights: Metal #2 apresentou conexão entre a Corte das Corujas e o Multiverso Sombrio

Recentemente, o final de Dark Nights: Metal #2 nos entregou o desfecho de uma das mais antigas tramas elaboradas por Scott Snyder, iniciada ainda durante Os Novos 52. Em uma edição repleta de reviravoltas, o maior plot twist foi referente ao envolvimento da Corte das Corujas com o mistério do Metal Enésimo.

Simplificando, a Corte das Corujas é uma sociedade secreta que atua em Gotham City há centenas de anos, tendo sua associação passada através de gerações entre as famílias mais importantes da cidade, influenciando diretamente setores políticos e financeiros de Gotham. Porém, jogos sombrios em busca de dinheiro e poder são apenas parte das misteriosas atividades da Corte. Eles também estão envolvidos no lado mais espiritual – ou mitológico – da cidade, assim como também acreditam serem organizados por um poder de natureza quase divina. Para provar isso, eles desenvolveram tecnologias que flertam com magias, misturando ciência e alquimia para construir e esconder extensos labirintos sob os esgotos da cidade e transformar pessoas em assassinos imortais chamados Garras.

Com a ajuda dos Garras, eles são capazes de executar qualquer um que se intrometa nos assuntos da organização – nas raras ocasiões em que alguém descobre sua existência. A Corte vem apagando seus rastros por séculos de uma maneira tão efetiva que eles até mesmo conseguiram se passar apenas como uma lenda urbana parte do folclore local, transmitido através de histórias feitas para assustar as crianças de Gotham. Eles até mesmo possuem uma cantiga bastante assustadora cujos versos são:

Cuidado com a Corte das Corujas, que observa o tempo todo.
Governando Gotham de um poleiro escuro atrás de uma limeira.
Eles te observam bem no fundo de seu coração, eles te observam deitado em sua cama.
Não diga uma palavra sobre eles ou eles enviarão o Garra para arrancar a sua cabeça.

É claro que investigar sobre a Corte das Corujas não é lá das coisas mais saudáveis a ser fazer, porém, existem outras maneiras de fazer com que eles saiam de seus esconderijos, como, por exemplo, descobrir sua existência por acidente. O que foi exatamente o que aconteceu com o Batman. Acontecimento este que fez a Corte não aceitar de bom grado um cara qualquer fantasiado interferindo em suas ações minuciosamente planejadas.

E foi assim que Bruce e a Bat-Família enfrentaram um exercito de Garras, trazendo diversos segredos sinistros à luz. Mas dizer que o Batman foi pego totalmente de surpresa pela aparição repentina da Corte em sua aventura não seria verdade. O Batman tem estudado a Corte por tanto tempo que até mesmo a surpreendente revelação sobre a linhagem de Dick Grayson não o surpreendeu nem um pouco. Descobriu-se que a família Grayson tinha sido uma fonte fornecedora de novos Garras para a Corte por gerações, e Dick estava destinado a ser ponto central de uma de suas antigas profecias arcanas. O Filho Cinzento de Gotham – do inglês, Gray Son of Gotham – estava destinado a se tornar o mais valoroso Garra, seguindo os passos de um de seus antepassados, um Garra conhecido como Willian Cobb.

No final d’Os Novos 52 e mais recentemente no Rebirth, a ligação de Dick com a Corte novamente voltou a assombrá-lo. Durante Robin War, Dick foi chantageado para se tornar um agente internacional trabalhando para o Parlamento das Corujas – denominação dada para a Corte quando a sociedade atua em nível internacional -, adotando o título de Garra, mas se recusando a se submeter a qualquer procedimento envolvendo lavagem cerebral ou imortalidade. Dick usou sua posição na organização para destruí-los de dentro pra fora – ou pelo menos era isso que havíamos pensado. Conforme descobrimos em Metal, a Corte e o Parlamento são organizações que ainda estão longe de terem um fim.

O nome Strigydae talvez seja algo familiar para quem acompanhou atentamente o run de Scott Snyder ao longo dos anos em Batman. O nome apareceu pela primeira vez em Batman #51. Strigydae – ou Strigidae – foi usado em referência à um misterioso ritual chamado O Manto. Sabemos agora que O Manto é um processo usado pela Corte na tentativa de conjurar uma entidade demoníaca chamada Barbatos. O ritual envolve fazer como que um sacrifício – nesse caso, Bruce Wayne – entre em contato com 5 metais — Electrum, Dionesium, Promethium, Metal Enésimo e Batmanium.

Todos esse metais, exceto o Metal Enésimo, foram utilizados em momentos diferentes ao longo do run de Snyder, onde Bruce foi exposto a cada um deles, em momentos distintos. Especificamente, durante o período em que James Gordon atuou como Batman, ele encontrou uma mulher chamada Geri Powers, que havia pesquisado elementos além dos contidos na tabela periódica. O run não deixa claro, mas a medida que as coisas vão ocorrendo, fica fortemente implícita a ligação entre a família Powers e a Corte das Corujas. Geri Powers e sua empresa ainda estão para dar as caras no Rebirth, e por isso vale a pena ficamos de olho enquanto os eventos de Metal avançam.

Strigydae, então, são os sumos sacerdotes de Barbatos, trabalhando incansavelmente em conjunto com a Corte das Corujas para invocá-lo no mundo material. Nós os vimos na tumba de Hath Set com uma aparência extremamente desconfigurada, mas não fica claro se eles estão apenas usando máscaras ou se realmente são criaturas monstruosas.

Ainda assim, não é uma boa ideia acreditar que a Corte ou o Parlamento não aparecerão mais, mesmo agora que seu objetivo final tenha sido alcançado. Dick Grayson aprendeu isso da forma mais difícil mais de uma vez, afinal, esses cultos arcanos secretos que visam a dominação do mundo sempre surgem de novo e de novo, não importa o que aconteça. E mesmo após tudo o que descobrimos, certamente, isso é apenas a ponta do iceberg.

Dark Nights: Metal #3 tem data de lançamento marcada para 11 de outubro.

  • O Homem do QI200

    Eu lendo diboa, aí me vem com “Batmanium” kkkkkkkkkkkkk

  • Eduardo Faria Guimarães

    A família Powers é a mesma daquele vilão do Batman do Futuro,chamado Derek Powers (vulgo Blight) ou é impressão minha?

    • Sim, é a mesma família. Principalmente porque os Powers voltaram ao mesmo tempo em 2015, tanto no Batman do Snyder quanto no Batman do Futuro do Jurgens.

  • Os 7 Soldados da Vítória

    Essa saga é uma viagem …