Como pode ocorrer o retorno da Sociedade da Justiça?

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DO ARTIGO OLD SCHOOL: HOW SHOULD DC REBIRTH THE JUSTICE SOCIETY OF AMERICA?, DE AUTORIA DE TOM BONDURANT E DISPONIBILIZADO NO PORTAL COMIC BOOK RESOURCES

Historicamente por ser a primeira equipe de super-heróis criada, a Sociedade da Justiça da América talvez seja o grupo mais influente na história dos quadrinhos. Criada em 1940 em All Star Comics #3, a SJA reuniu personagens de diferentes gêneros heroicos, apresentando aos leitores heróis e vigilantes que eles talvez ainda não conheciam. A influência da equipe é tão grande que sem ela jamais teríamos equipes como Liga da Justiça, Jovens Titãs ou qualquer outra equipe de super-heróis atualmente existente no mercado.

Ainda assim, a partir da Era da Prata, a Sociedade da Justiça foi muitas vezes ofuscada por seus sucessores. Com as aparições dos membros da SJA reduzidas à participações especiais em histórias da Liga da Justiça ou do Flash, os leitores naturalmente começaram a ver esses personagens apenas como auxiliares dos heróis da Terra-1. E em nada adiantou Crise nas Infinitas Terras ter integrado, através de retcons, as aventuras ocorridas na Era de Ouro em uma única linha temporal com os heróis da Era de Prata, pois a SJA logo acabou se aposentando.

Porém, a atual iniciativa Rebirth nos prometeu o retorno da Sociedade da Justiça da América. Temos visto citações à equipe desde Wally West se materializando para um velho Johnny Trovoada até o crossover Liga da Justiça vs. Esquadrão Suicida mencionar uma “sociedade perdida”. Sim, a SJA está pronta para dar as caras no Rebirth e hoje examinaremos como a DC Comics poderia trabalhar em cima da primeira equipe de super-heróis dos quadrinhos.

Para fins práticos, assumiremos que a DC Comics realmente trará de volta seus clássicos personagens da Era de Ouro. Desde 2012, os títulos Terra 2 e Melhores do Mundo nos mostram versões modernas dos personagens da Era de Ouro, mas com o fim iminente de Terra 2: Sociedade, vamos supor que essas versões serão substituídas por suas versões clássicas – ou coexistir em Terras diferentes.

Atualmente, os personagens da Sociedade da Justiça são idosos, e dependendo de como a DC esteja tratando seu Multiverso, existe uma grande chance desses heróis estarem em uma Terra paralela. Na Era de Ouro, quando esses personagens estavam no auge e não existia a ideia de Multiverso, nada disso importava. Entretanto, de 1961 até 1985, todo o universo da SJA foi alocado como a Terra-2, separados do resto do Multiverso através de frequências vibracionais. Como mencionado acima, Crise pôs a SJA na Nova Terra no final 1985 até 2011, quando Flashpoint os realocou em uma nova Terra-2.

Embora a clássica equipe tenha participado de grande parte da história da DC Comics, o seu auge aconteceu em três períodos diferentes. Primeiramente, é claro, foi durante a Era de Ouro em All-Star Comics #3-57. Em seguida, após passar boa parte da Era de Prata juntando-se a Liga da Justiça, a DC trouxe de volta o título All-Star Comics em 1976. Desse momento até 1989, a SJA apareceu bastante tanto no seu quanto em outros títulos. Isso inclui as edições All-Star Comics #58-74, Adventure Comics #461-466 e 61 edições de All Star Squadron. Esse último gerou a Corporação Infinito e alguns outros spin-offs.

O período mais familiar dos leitores atuais, o terceiro período, é aquele que começou em 1999 e abrangeu 87 edições de JSA e seu sucessor, com 54 edições, Justice Society of America. Talvez podemos chamar esse momento de Era Geoff Johns, uma vez que ele escreveu a maior parte das duas séries. Entretanto, vale a pena notar que as edições iniciais de SJA foram co-escritas por James Robinson – cujo título Starman (1994-2001) também ajudou a trazer a SJA de volta aos holofotes – e David S. Goyer. Essa versão da SJA serviu para estruturar o legado da DC Comics, junto com novas encarnações de alguns personagens antigos.

Naturalmente, a primeira opção para lidar com a Sociedade da Justiça trata-se de seu local natural dentro do cosmos da DC Comics. Durante a Era de Ouro a SJA tinha o conceito de universo compartilhado para si, entretanto, após Flash #123Flash de Dois Mundos -, a SJA e seu background foram atribuídos à Terra-2.

Isso separou os personagens da Era de Ouro de suas contrapartes da Era de Prata, o que permitiu que as histórias da Era de Ouro acontecessem dentro de sua própria linha temporal na Terra-2. Contudo, uma vez que esses personagens começaram a interagir com a Terra-1, esses eventos tiveram que ser reconciliados com a elástica linha temporal da Terra-1. Assim, quando Flash de Dois Mundos foi publicado pela primeira vez, Jay Garrick estava com 40 anos e havia se aposentado há pelo menos 10 anos.

Independentemente disso, deixar a SJA ter a Terra-2 para si significava que a Terra-2 poderia ter sua própria Trindade e heróis, com Superman ainda sendo o primeiro super-herói em ambas as terras. Para os novos leitores isso talvez seja uma distinção pífia, mas se a Terra-2 possui sua própria Trindade, então não se faz necessário alterar nenhuma das histórias originais da Era de Ouro e ainda permite que a Terra-2 tenha novos heróis que herdem o legado da Trindade. A antiga Terra-2 possuía Poderosa, Caçadora e a filha da Mulher-Maravilha, Fúria, mas após a Crise todas as três precisaram de alguns ajustes para se encaixar.

Além disso, se apenas os personagens da Era de Ouro estiverem na Terra-2, existe agora o espaço para pelo menos mais uma geração de super-heróis. Assumindo que os personagens clássicos nasceram entre 1910 e 1920, eles estariam agora com cerca de 100 anos de idade. Talvez alguns deles sejam avós; talvez alguns deles já tenham morrido; talvez alguns – Superman, Mulher Maravilha, Lanterna Verde, Doutor Destino – ainda estejam poderosos o suficiente para saírem de sua aposentadoria quando o fim do mundo estiver próximo. O ponto é, uma nova Terra-2 pode ser escrita com base nas historias da Era de Ouro e ainda ser bastante distinta, através das novas gerações, tanto da Nova Terra quanto da Terra-1 pré-Crise.

É claro, qualquer nova Terra-2 também deve se distinguir das outras Terras do Multiverso influenciadas pela Era de Ouro, como a Terra-21 (Nova Fronteira) e a Terra-38 (Gerações), assim como outros legados alternativos como os da Terra-12 (Batman do Futuro), Terra-16 (Os Justos) e Terra-22 (Reino do Amanhã).

Nos últimos 10 anos a DC tentou engatar uma nova Terra-2 algumas vezes, como parte de seu recente Multiverso de 52 Terras. A primeira tentativa apareceu no final da Sociedade da Justiça de Geoff Johns e se parecia bastante com uma atualizada Terra-2 pré-Crise, contendo uma equipe chamada Sociedade da Justiça Infinita. A segunda tentativa, é claro, foi a série Terra-2, que começou durante Os Novos 52 e está atualmente sendo representada pelo título Terra-2: Sociedade. Em ambos os casos, as novas versões não são necessariamente aquilo que se espera para os clássicos personagens da Era de Ouro.

Se o tema principal do Rebirth é a questão do legado, então certamente a DC Comics tem o desejo de reintegrar as histórias da Era de Ouro dentro da cronologia principal da editora. Isso claramente seria algo muito familiar para muitos leitores, afinal era assim que as coisas funcionavam alguns anos atrás. Ainda assim, isso acaba implicando em alguns desdobramentos. Se por um lado existe um forte sentimento de desculpas em Rebirth, pelo outro, não existe nenhuma obrigação de se reverter todas as mudanças feitas durante Os Novos 52.

Então, por mais tentador que essa reintegração possa ser, alguns fatores pesam contra isso. Só pra lembrar, a cronologia temporal das historias da SJA se passa na década de 40. Essencialmente, eles fazem parte de um contexto onde os super-heróis estavam ativos durante a Segunda Guerra Mundial e se aposentaram em algum momento no tempo. Esse “algum momento no tempo” é onde se encaixa a elástica linha do tempo da Nova Terra. Na Era de Prata e de Bronze isso não foi um grande problema, pois a maior parte do período de aposentadoria dos personagens da SJA só durou no máximo duas décadas. Isso foi bastante tempo para Batman e Mulher-Gato se casarem (no início dos anos 50), conceberem uma filha (Helena Wayne), vê-la crescer e se tornar uma vigilante por volta de seus 20 anos de idade.

Portanto, quando Poderosa e Caçadora estrearam na metade dos anos 70 e Corporação Infinito veio por volta do início dos anos 80, era perfeitamente razoável que houvesse tempo deles, como uma segunda geração de super-heróis, nascerem e crescerem no nebuloso período de aposentadoria da SJA. Hoje, porém, isso é algo mais complicado. A menos que todos os personagens Dourados estejam ou em algum tipo de animação suspensa ou que possuam algum tipo de longevidade maior do que a normal, isso acaba se tornando cada vez menos plausível uma segunda geração de super-heróis com seus 20 ou 30 anos. Tal geração teria que ter nascido entre os anos 80 e 90, quando os personagens da Era de Ouro possuíam seus 60 a 70 anos de idade. Por essa questão, a geração subsequente envelheceria a SJA da mesma forma como os vários Robins envelheceram o Batman na linha temporal pré-Flashpoint – só o Damian já vale por pelo menos uns 10 anos de cronologia do Batman. A próxima equipe criativa teria que tornar os membros da SJA avós para que assim exista um background plausível como base para se trabalhar.

Isso, por sua vez, traz a tona uma segunda preocupação sobre essa reintegração. Crise nas Infinitas Terras não incorporou todas as aventuras da Era de Ouro na Nova Terra, pois ela precisava se livrar de todas as duplicatas da Era de Ouro. Na Terra-2 pré-Crise, Superman foi o primeiro super-herói. Ele apareceu pela primeira vez em 1938 seguido, sem uma ordem especifica, por Batman, Vingador Escarlate, Flash, Gavião Negro e por aí vai. Entretanto, na Nova Terra, Superman e Batman surgiram “7 anos atrás”, deixando os fãs especularem sobre quem foi o primeiro a surgir e quais histórias ainda eram válidas sem suas duplicatas.

Em termos simples, Crise abriu um buraco na história da Trindade da Era de Ouro, o que literalmente significava reescrever aquela história nas páginas de séries como Origens Secretas e Young All-Star. Reintegrar a SJA e seus descendentes não é tão simples como parece e pode ser algo ainda mais complicado e confuso se a DC Comics não passar um bom tempo pensando sobre isso.

A não ser que a DC esteja planejando outra radical reinvenção da Sociedade da Justiça, então ela deve escolher voltar o relógio para o período pré-Flashpoint ou voltar 32 anos para a era pré-Crise. Nenhuma das duas ideias é a solução perfeita, o que pode explicar os relançamentos periódicos da SJA. A DC Comics aposentou a equipe em 1986, os trouxe de volta em 1992, os aposentou novamente em 1994, os trouxe de volta mais uma vez em 1998 e usou Flashpoint para, por fim, aposentar a clássica equipe em 2011.

O principal problema é que a Era de Prata tornou a SJA algo como entre um apêndice e uma história alternativa. Por um lado, a Terra-2 preservou a Era de Ouro tão perfeitamente quanto podia. O que foi excelente para os fãs dessa época. Por outro, essa preservação transformou a Terra-2 em uma dimensão com diretrizes rígidas com relação a mudanças e atualizações.

Verdade seja dita, a Sociedade da Justiça pode até ter surgido primeiro, mas ganhou status secundário perante a Liga da Justiça por mais de 50 anos. E isso não mudará. É certo que a Liga da Justiça deve respeitar seu conjunto de regras não escritas, que são designadas para mantê-los eternamente jovens e com suas aparências físicas relativamente inalteradas – e isso não se aplica à Sociedade da Justiça. E essa é a vantagem da SJA: por décadas, permitir que seus membros envelheçam, reproduzam e morram, fez da equipe um modelo para os futuros super-heróis herdeiros de seus legados.

Nesse aspecto, a melhor solução talvez seria dar à SJA e seus pares sua própria Terra novamente, mas com a provisão de que o tempo passa de forma diferente. Mais uma vez, os quadrinhos poderiam refletir o envelhecimento da SJA em tempo real, enquanto os principais personagens da Terra-0 desfrutam de sua própria e elástica linha cronológica. Se Barry Allen apenas visitava Jay Garrick uma vez por ano no mundo real, um ano passaria para Jay enquanto para Barry só se passaria um mês ou algo assim. Essa solução daria à essa nova Terra da SJA a licença poética de ser uma Terra não afetada pelo tempo, tornando suas interações com a Terra-0 muito mais preciosas. Isso também reforçaria o fato de que essa Terra é especial. A sociedade da Justiça da América representa não apenas a Era de Ouro da DC Comics, mas também um grande pedaço da Era de Ouro de uma forma geral.

Os heróis da SJA estão um pouco mais velhos agora, e tiveram muito mais aventuras durante a Era de Prata do que na própria Era de ouro. No entanto, A DC Comics lhes deve esse tratamento especial por seus papéis que desempenharam o sucesso da editora. Quando a DC trouxer de volta a Sociedade da Justiça, ela deve ter o cuidado de fazer com que sua nova casa seja algo confortável e sustentável. De nada adiantaria todo esse trabalho para depois de alguns meses colocar todo esse universo no famoso limbo editorial.

  • David Pinheiro

    Imagino que funcionará semelhante aos próprios Watchmen’s onde os mesmos foram sucessores dos Minutemen’s.
    Assim a LJ estão para a SJA assim como os Wacthmen estão para os Minutemen.

  • O Homem do QI200

    não posso falar muito pq nem tenho ideia de como eles vão voltar nesse universo, mas estou esperando ansiosamente por eles, já que é a meu grupo de heróis favoritos. E acho um pecado, essa HQ ter sido deixada de lado e até mesmo ser ofuscada por outra equipes semelhantes como a própria LJ. Obviamente, a LJ ganhou mais notoriedade por ter personagens com HQs solidas e bem desenvolvidas, como Superman, Batman, MM, Flash e Lanterna Verde e isso eu reconheço as HQs solos dos heróis da liga são muito melhores do que qualquer um da SJA, mas em questão de formar um grupo e trabalhar em equipe, não há um melhor que a SJA. Cara, como é bom vê-los atuando juntos, se por um lado, em HQs solos, não despertam tanto interesse em compensação, unidos são simplesmente sensacionais, parecem realmente uma família, sem intrigas de quem deve ser líder, eles se baseiam na admiração, esperança e a alegria de poder ajudar as pessoas.