[ASILO ARKHAM] O Batman na Década de 1940

Bem-vindos à mais um artigo da Asilo Arkham! Neste mês carnavalesco, vamos dar sequência à nossa série de artigos sobre a evolução do Batman através das décadas. Já falamos sobre sua criação no final dos anos 30 e suas peripécias ao longo dos anos 50 e 60. Agora chegou a hora de comentar, de fato, a Era de Ouro do Batman nos quadrinhos, suas principais histórias e as primeiras aparições de diversos personagens importantes para o mito do Homem Morcego. Com vocês, a década de 40!

Desde a primeira aparição de Batman em Detective Comics #27 (1939), Bob Kane já trabalhava com parceiros para a criação das histórias do Cavaleiro das Trevas. O primeiro deles foi Sheldon Moldoff, contratado como assistente para auxiliar Kane na arte e arte-finalização das revistas. Quando Moldoff passou a desenhar suas próprias tiras para a DC Comics, o jovem Bob Kane contratou o artista Jerry Robinson como assistente, que contribuiu bastante para a evolução da mitologia do Batman.

Diversos personagens importantes do universo de Batman estrearam na década de 1940, como Robin, Mulher-Gato, Cara-de-Barro, Espantalho, Pinguim, Duas-Caras, Charada e mais dezenas de vilões memoráveis. Nesta década também surgiram a Batcaverna e o mordomo Alfred. Batman ganhou mais dois títulos além de Detective ComicsBatman e World’s Finest Comics, em parceria com o Superman -, e até o Menino Prodígio ganhou uma revista solo, se aventurando durante um tempo nas paginas de Star Spangled Comics.

1940 marcou definitivamente a ascensão do Cavaleiro das Trevas nos quadrinhos, pois as vendas de Detective Comics aumentaram significativamente após a estréia de Robin, deixando as aventuras um pouco mais descontraídas. Após a criação do Menino Prodígio, muitas outras publicações também adotaram parceiros juvenis para seus personagens principais, tentando capturar o mesmo clima das aventuras da Dupla Dinâmica.
Na década de 40 tivemos o início das aventuras de Batman no cinema, em duas séries de 15 episódios que tiveram grande influência na Era de Ouro dos Quadrinhos. Batman então se tornou uma estrela de primeira grandeza, rivalizando apenas com o primeiro super-herói da DC Comics, Superman.

Vamos para os momentos mais marcantes do Cavaleiro das Trevas na década de 40:

1940

Detective Comics #36, de fevereiro, nos apresentou Hugo Strange, que foi o primeiro grande vilão a surgir nas histórias do Homem Morcego. O mês de abril nos trouxe duas edições históricas: a primeira, Detective Comics #38, apresentou a estreia de Robin, logo se tornando um personagem icônico; já a segunda, Batman #1, nos trouxe a primeira aparição do Coringa e da Mulher-Gato – que num primeiro momento era chamada apenas de “a gata” -, além de uma nova aventura tendo Hugo Strange e seus homens monstro como vilões. Somente em Batman #3, de setembro do mesmo ano, a ladra mais famosa dos quadrinhos foi batizada de Mulher-Gato. Em Detective Comics #40, do mês de junho, fomos apresentados ao vilão Cara-de-Barro, que usava uma máscara de barro para cometer assassinatos.

1941

Neste ano, surgiu a World’s Best Comics, logo rebatizada de World’s Finest Comics, trazendo aventuras dos dois heróis mais importantes da DC Comics. Nesta época, Batman já era um recordista de vendas, mas ainda não se equiparava ao Homem de Aço, que já havia ganhado um programa de rádio em 1940. Em janeiro, finalmente fomos presenteados com o nome da cidade mais sombria dos quadrinhos, ao surgir o jornal Gotham City Gazette, em Batman #4. Na Detective Comics #48, finalmente o carro do Morcegão ganhou um nome, Batmóvel. Em World’s Finest Comics #3, de setembro, surge Jonathan Crane, o Espantalho. E em dezembro deste ano tivemos a primeira aparição, de forma triunfal, de um dos vilões mais icônicos do universo do morcego, o Pinguim, em Detective Comics #58. Logo, o criminoso se mostrou um personagem bastante incomum, pois adorava usar fraques e guarda-chuvas cheios de truques.

1942

Por conta da entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial, Batman se tornou extremamente patriótico, principalmente nas capas de suas revistas, que nem sempre representava seu conteúdo. Em fevereiro deste ano, surgiu o Batsinal, em Detective Comics #60. Em agosto do mesmo ano, surge Harvey Dent, o Duas-Caras. Claramente inspirada em O Estranho Caso de Doutor Jekyll e Sr. Hyde, Detective Comics #66 nos trouxe um dos vilões mais emblemáticos de Gotham City, o Promotor de Justiça que se torna um criminoso após seu rosto ser desfigurado.

1943

Em 1943 Batman estreou seu primeiro seriado no cinema, com 15 episódios, passando a frente do Homem de Aço, que ainda estava apenas com seu programa no rádio. Batman teve também sua primeira tira de jornal. A conquista foi motivo de orgulho para Bob Kane, pois na época as histórias em quadrinhos eram consideradas coisas de criança, já as tiras de jornal possuíam uma importância maior. Em Batman #16, de abril/maio, surge a primeira versão do mordomo Alfred, embora bem diferente do Alfred de atualmente. Este Alfred sonhava em ser detetive, porém sua natureza desajeitada  e sua forma física não o ajudavam muito. Apesar disso, essas limitações não o impediram de descobrir o hangar subterrâneo abaixo da mansão e as identidades secretas de seus patrões. No ano seguinte, o visual de Alfred passou a ser aquele que conhecemos atualmente.

1944

Em janeiro deste ano, em Detective Comics #83, o hangar subterrâneo citado acima finalmente ganhou seu nome definitivo, a Batcaverna, graças à série de cinema que havia estreado no ano anterior, onde um dos episódios foi batizado de A Caverna do Morcego.

1945

Nesse ano, a marca da Dupla Dinâmica foi finalmente consolidada e Detective Comics enfim chegou a seu número #100, em junho. A edição, porém, foi bastante discreta, trazendo-nos uma aventura sobre contrabando de pedras preciosas. Neste mesmo ano, Batman e Robin fizeram sua estréia no rádio, no primeiro dos 13 episódios que reuniram a Dupla Dinâmica e o Homem de Aço no popular The Adventures of Superman.

1946

Em Batman #35, de junho/julho, a Mulher-Gato ganhou um novo visual e se aproximou da versão utilizada até a era moderna dos Quadrinhos. Nesta mesma edição, vemos como Batman adquiriu o tiranossauro rex presente na Batcaverna até os dias de hoje. Na clássica história chamada A Ilha dos Dinossauros, Batman e Robin viajam até um parque temático com robôs dinossauros, que acabam provocando caos no local até a Dupla Dinâmica resolver a situação.

1947

Entrando na reta final da década, a popularidade da Dupla Dinâmica era tanta que ultrapassou suas três revistas principais. Robin passou a se aventurar de forma solo, fazendo sua estréia em Star Spangled Comics #65, de fevereiro, enquanto Batman teve raras participações como convidado em All-Star Comics. Em World’s Finest Comics #30, Batman adquiriu um segundo item presente na Batcaverna até os dias atuais. Na aventura, Batman enfrenta o Ladrão de Tostão, quando ele e sua gangue tentavam roubar uma coleção de moedas e selos raros. O Cavaleiro das Trevas derrotou Tostão e seus aliados com uma moeda gigante e depois a levou para a sua sala de troféus. Posteriormente, a história da moeda foi modificada, tornando-se um item que o vilão Duas-Caras usou para esmagar o Homem Morcego.

1948

Em 1948 surgiram três personagens extremamente importantes da galeria do Morcego. Em outubro, em Detective Comics #140, surge o mestre dos enigmas, o Charada. Na trama, Edward Nigma aprendeu a trapacear quando era criança, e ao se tornar adulto, queria enfrentar um rival à sua altura. Ele adotou a mascara, o traje com pontos de interrogação e o nome Charada e para se tornar um dos inimigos mais memoráveis de Batman e um dos poucos a rivalizá-lo através do intelecto. Em Batman #49, de outubro/novembro do mesmo ano, fomos apresentados à fotografa Vicki Vale que logo se tornou o novo amor de Bruce Wayne, já que sua antiga namorada, Linda Page, não aparecia nas páginas de suas revistas há 5 anos. Na mesma edição, temos a primeira aparição do Chapeleiro Louco, vilão inspirado no personagem de Lewis Carroll em Alice no País das Maravilhas. Com sua aparência bizarra e alguns truques, o excêntrico vilão invadiu um clube e roubou um troféu no valor de 5 mil dólares.

1949

Ao encerrar a década, Batman e Robin estrelaram seu segundo e último seriado no cinema. Com 15 capítulos, o seriado não conseguia transpor o clima dos quadrinhos da época, pois o Homem Morcego era cada vez mais visto atuando em lugares bizarros, como órgãos gigantes, rodas de roleta e até maquinas de escrever. Em Detective Comics #153, Batman voou pela primeira vez ao utilizar a famosa capa asa-delta tão presente nas aventuras do Homem Morcego. Apesar das aventuras voadoras do Cavaleiro das Trevas não passarem de um sonho, posteriormente, o conceito foi e ainda é bastante utilizado nas aventuras de Batman.

Como vocês podem ver, os anos 40 foram riquíssimos para o Homem Morcego, nos trazendo personagens, cenários e conceitos que se fazem presentes até hoje nas aventuras do Cavaleiro das Trevas.

Espero que com esse artigo vocês tenham aprendido um pouco mais sobre a riquíssima história do Cavaleiro das Trevas. Não deixem de comentar, dar sugestões, criticar, enfim, a sua opinião, Glorioso Leitor, é sempre importante e bem-vinda.

Bom carnaval, e nos vemos no mês seguinte. Ate lá!

  • Werly Pires

    Mais um excelente artigo, parabéns!

    • Vitor Tassi

      Valeu pelo comentário Werly, se tiver alguma sugestão para os próximos artigos, é só falar!

  • erik

    Cara… Suas publicações ajudaram e muito em um trabalho de faculdade! Justamente as épocas que eu precisava!
    Obrigado 😀

    • Vitor Tassi

      Pô cara, que legal! Fiquei muito feliz em ajudar. Mas do que se trata esse trabalho?